Documento do Coletivo Brasil Catalunha alerta que liberdade democrática no Brasil está ameaçada pela possibilidade de ascensão à presidência do candidato de extrema direita Jair Bolsonaro

Em poucos dias, o Coletivo Brasil Catalunha conseguiu a adesão de mais cem personalidades, entre elas políticos, ativistas, jornalistas e escritores ao Manifesto pela Democracia no Brasil. Entre os signatários está a prefeita de Barcelona, Ada Colau, o deputado congressista de Esquerda Republicana (ERC), Joan Tardà, o jornalista Francesc Escribano e o diretor de teatro Ferran Utzet .
O documento, lançado no último dia 23 de outubro, destaca que no segundo turno das eleições presidenciais, no próximo domingo, o candidato do PT, Fernando Haddad é a única posibilidade de frear o candidato de extrema direita Jair Bolsonaro (PSL) e seu discurso claramente fascista. Explica também que o país tem assistido a uma onda de violência protagonizada por eleitores do capitão reformado do éxército.
Além disso, relata que recentemente foi descoberto que empresários que apoiam Bolsonaro estavam bancando contratos milionários para disparo de mensagens com notícias falsas através do WhatsApp contra Haddad e o PT. E que tal prática é ilegal e configura uso de caixa 2 na campanha do candidato do PSL.
Segundo um dos impulsores do manifesto, o sociólogo Flávio Carvalho, o documento se soma a iniciativas semelhantes que foram colocadas em curso em diversas cidades do mundo.”Em poucos dias de circulação o nosso manifesto ganhou repercussão nas redes sociais e nos meios de comunicação da Catalunha”, explicou Carvalho. Para ele, neste momento de ameaça ao sistema democrático brasileiro é importante ampliar a difusão do documento.
“Além da difusão nas redes sociais, estamos pedindo aos que assinaram o documento que repassem para seus contatos e aos mais diversos meios de comunicação”, disse. O sociólogo informa que quem deseja assinar o documento pode fazer isso enviando e-mail para cbrasilcatalunya@gmail.com informando o nome e a profissão ou entrando na plataforma change.org.
Carvalho ressalta que é urgente e mais necessário do que nunca a defesa da democracia brasileira. “Por isso é importante a solidariedade internacional, bem como informar a opinião pública e posicionar-se de forma unitária contra as ameaças às liberdades democráticas do Brasil”.