Ex-presidente, exilado na Bélgica, lidera movimento que tenta unir partidos independntistas na busca da efetivação da independência proclamada em 27 de outubro de 2017

Um ano depois da proclamação de independência no Parlamento da Catalunha, não efetivada em função da intervenção da Espanha, os independentistas se mobilizam com vistas a implementar a república. O ex-presidente Carles Puigdemont, exilado na Bélgica, lançou o movimento Crida Nacional (Chamado Nacional), em evento realizado neste sábado (27) em Manresa, no interior da Catalunha, do qual participou através de videoconferência. O lançamento foi coordenado pelo atual chefe do executivo catalão, Quim Torra.

Da Bélgica, Puigdemont convocou cidadania resistir

“Chamamos à mobilização política porque não nos rendemos e não nos renderemos”, destacou Puigdemont através de um telão gigante. O líder catalão instou os cidadãos a participarem do movimento, que pretende se constituir como partido político. “Com a máxima unidade”, acrescentou. Para ele, o movimento será capaz de gerar uma reação em cadeia semelhante ao do referendo de 1º de outubro de 2017.
O pavilhão onde foi realizado o evento ficou pequeno para o número de pessoas que compareceu e aos gritos de “liberdade” protestou contra a prisão dos líderes independentistas e pelo retorno dos exilados. Gritos de “união” também foram repetidos com insistência, em função das disputas entre os partidos independentistas que têm levado as siglas a se confrontarem.
Durante a intervenção do presidente Quim Torra se ouviram gritos de “nem um passo atrás”. Foi exatamente quando falava que o crédito do primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, acabou. Nesse momento, os presentes se colocaram de pé e apaludiram aos gritos de “independência”.
Da prisão, o ex-presidente da Assembleia Nacional Catalã (ANC), Jordi Sànchez, deputado pelo PDeCAT, enviou mensagem de apoio ao movimento. “Queremos ver a república catalã proclamada. Este é o espírito do movimento”, disse. Do partido Esquerda Repúblicana (ERC) que faz concorrência com a sigla de Puigdemont (PDeCAT), esteve presente ao evento o prefeito do município de Montblanc, Josep Andreu.
Segundo a organização, mais de seis mil pessoas participaram do ato. Segundo os organizadores do ato, a Crida não renuncia a “nenhuma via pacífica e não violenta” para fazer efetiva a declaração de indepndência e a instauração da república “amparada na causa justa da independência”.
Puigdemont será o presidente impulsor da organização, que também terá um presidente executivo e um secretário geral. “As dez mil pessoas que aderiram à plataforma como fundadores poderão fazer emendas a partir de agora”, explicaram. Todas as propostas serão chanceladas ou não em 19 de janeiro de 2019, quando se escolherá um congresso constituente e a direção do movimento.