Com resultado das eleições deste domingo, a comunidade espanhola poderá ter governo de direita após 40 anos de domínio de partidos de esquerda. Atual presidente, Susana Díaz (PSOE), elegeu apenas 33 deputados, 14 a menos que em 2015 

O resultado das eleições para o Parlamento da Andaluzia, realizadas neste domingo (02), anuncia um terremoto na política da comunidade autônoma e, consequentemente, na espanhola. Isso porque Vox, partido de extrema direita, irrompeu no legislativo andaluz conquistando 12 cadeiras. Com isso, um governo de direita poderá será formado após de 40 anos de domínio de partidos de esquerda, com apoio do Partido Popular (PP), que elegeu 26 deputados, e Cidadãos, que obteve 21 assentos.

Susana Díaz (PSOE), atual presidente da Andaluzia, foi a grande derrotada das eleições realizadas neste domingo na cumuniddae autônoma espanhola

Apesar de ter ficado em primeiro lugar, ao eleger 33 deputados, a atual presidente da Andaluzia, Susana Díaz, do Partido Socialista Obreiro Espanhol (PSOE), do primeiro-ministro Pedro Sánchez, perdeu 14 cadeiras. Com isso, fica difícil obter maioria no legislativo, já que a coalisão de esquerda Adiante Andalusia, que engloba o partido Podemos, obteve somente 17 assentos na câmara andaluza. Para formar governo no Parlamento da Andaluzia são necessários 55 deputados. Em contraposição, a soma entre PP, Cidadãos e Vox chega a 59 assentos, numa maioria cômoda.

A participação dos eleitores foi baixa, com 5% a menos que a eleição anterior, ficando em 46,50% até registro feito às 18:00. Em 2015, neste horário já haviam comparecido às urnas 51,41% dos votantes. As circunscrições onde houve menor participação foram justamente onde o PSOE obteve mais votos no pleito anterior.