Grupo de mulheres promoverá manifestação neste dia 30, na praça Sant Jaume, na capital catalã, em solidariedade a estudantes e professores que vão às ruas do Brasil protestar contra corte de 30% nas verbas da educação 

As manifestações convocadas em todo o Brasil neste 30 de maio, em mais um dia de protestos contra os cortes na educação realizados pelo governo Jair Bolsonaro (PSL),  terão respaldo em Barcelona. Diversos coletivos que lutam em defesa dos direitos e liberdades, entre eles “Mulheres Brasileiras contra o fascismo”, participarão de ato que será realizado a partir das 19h30, na praça Sant Jaume, no centro da capital catalã.

À frente do coletivo que reúne mulheres de diversas regiões do Brasil estará a sergipana Maria Dantas, deputada do Congresso espanhol. Militante dos direitos humanos, Dantas tem entre suas bandeiras no legislativo a de defender coletivos vulneráveis, como também usar a tribuna para denunciar o governo Bolsonaro.

No informativo sobre a mobilização, o grupo informa que “se unirão à luta de estudantes e professores de todo o Brasil e lutaremos pelo futuro do maior país da América Latina”. É esperada a participação de outros coletivos formados por brasileiros, bem como de outros países e da Catalunha.   

“Desde antes de sua eleição, Bolsonaro disse que mudaria o sistema educativo, que segundo ele está impondo uma ideologia política (Marxismo cultutal, conceito inexistente) ao cobrir temas como o feminismo, a violência contra as mulheres e a educação de gênero, História da África. Recentemente anunciou que as escolas já não terão disciplinas de Sociologia e de Filosofia, para ele, carreiras inúteis”, denuncia o comunicado. Para o grupo, a verdadeira intenção de Bolsonaro é “difundir a ignorância e controlar as massas”.

No documento o grupo também alerta que o corte de 30% nas verbas destinadas aos fundos de para a educação pública, promovido pelo presidente brasileiro, terá um impacto “devastador” nas escolas primárias e nas universidades de todos o país. Mulheres Brasileiras sobre o Fascismo vai alertar durante o ato que essa movimentação de Bolsonaro tem clara intenção de “destruir o sistema educativo do Brasil”.