Campanha governamental intitulada Legado Verde mobiliza população superando objetivo inicial de plantar 200 milhões de árvores

Cartaz da campanha Legado Verde que superou objetivo inicial de plantar 200 milhões de árvores

Notícia boa para Natureza em tempos que o aquecimento global provoca efeitos nocivos para o planeta. Através de um projeto governamental para combater o desmatamento batizado de Legado Verde, a Etiópia plantou num só dia 353,5 milhões de árvores em cerca de mil localidades do país africano. O feito comandado pelo primeiro-ministro Abiy Ahmed, colocou o país à frente da Índia, que mantinha o recorde de haver plantado 50 milhões de árvores em julho de 2016. O objetivo do dia foi superado em 50% já que a meta inicial prevista era o de plantar 200 milhões de mudas.

As instituições do governo foram fechadas para permitir a participação dos funcionários públicos na campanha. Milhões de etíopes de todo o país foram convidados a participar no desafio e, nas primeiras seis horas, Abiy Ahmed publicou no Twitter que cerca de 150 milhões de árvores já tinham sido plantadas. Completado o desafio, um total de 353.633.660 árvores foram plantadas, tuitou o ministro da Inovação e da Tecnologia da Etiópia, Getahun Mekuria.

Nas redes sociais se proliferaram fotografias dos etíopes plantando árvores, acompanhadas da etiqueta #GreenLegacy (Legado Verde). A campanha ganhou, inclusive, o apoio de diversas organizações internacionais, incluindo agências das Nações Unidas e embaixadas internacionais que também plantaram suas sementes.

A ambiciosa campanha de plantio de árvores foi impulsionada em 26 de maio com o objetivo de espalhar quatro bilhões de árvores na Etiópia até o final do ano. Para alcançar o objetivo cada habitante do país que tem que plantar ao menos 40 árvores.

Segundo dados ds Nações Unidas, no início do século os bosques de Etiópia ocupavam 35% do território nacional, contudo essa cifra se reduziu a um pouco mais de 4% na década de 2000. Com 105 milhões de habitantes, é o segundo país mais povoado da África, depois da Nigéria. O país tem sofrido como os desastres causados pelas mudanças climáticas, especialmente durante o período de secas, que se intensificaram nos últimos anos afetando milhões de pessoas.