O primeiro-ministro Pedro Sánchez decidiu ampliar o confinamento na Espanha neste sábado (28), quando o país registra 5.500 mortes por coronavírus. A medida acontece 15 dias depois da decretação do estado de emergência, no qual foi determinado um confinamento parcial, mas diversas categorias continuaram trabalhando e Madri, onde há maior registro de contaminação e mortes, não foi isolada.

Com a decisão, pessoas que estavam sendo obrigadas a ir ao trabalho deverão ficar em casa até o dia 9 de abril. A medida foi elogiada pelo presidente da Catalunha, Quim Torra, que há 15 dias vinha pedindo o mesmo sob críticas diversas.

Com o decreto que deve ser aprovado neste domingo (29), as únicas atividades que vão estar permitidas serão a de minoristas de alimentação, bebidas, produtos e bens de primeira necesidad; farmacéuticos, médicos, óticas e productos ortopédicos e higiênicos; imprensa e papelaria; combustível para a automoção; equipes tecnológicas e de telecomunicações; alimentos para animis de companhia; comércio por Internet, telefone ou correspondência; e lavanderias.

A Espanha vem registrando alta crescente no número de pessoas infectadas pelo Covid-19 e de mortos, sem que as medidas tomadas até agora tenham resultado na descendência da curva, como esperava o governo.