O antirracismo entra em campo

Por Cesar Vanucci *

 Um santo impulso!”

(Nelson Rodrigues, se ainda entre nós, assim classificaria, por certo, a atitude dos atletas)

Conforme manjado jargão da crônica futebolística, o antirracismo adentrou a cancha. Em grande estilo. Soberbo espetáculo de afirmação civilizatória aconteceu no majestoso estádio parisiense “Parque dos Príncipes”, com arquibancadas vazias como pede a turbulência pandêmica, quando da disputa entre o PSJ, francês, e o Instanbul Basaksehir, equipe turca, pela última rodada da fase de grupos da Liga Europeia dos Campeões.

No comecinho do jogo, 13 minutos do primeiro tempo, um árbitro de linha, romeno, alvejou com expressão desairosa, de notório conteúdo preconceituoso, um atleta africano que, por sinal, não participava da peleja. No quiproquó que se seguiu o cartão vermelho de expulsão foi sacado do bolso do árbitro principal, mas o prélio foi interrompido por conta de um episódio jamais registrado nos anais do esporte das multidões.

PSG e Istanbul Basaksehir
Jogadores do PSG e Istanbul Basaksehir reagiram à comentário racista de árbitro

Os jogadores dos dois times tomaram, conjuntamente, unanimemente, a incrível decisão de abandonarem, disciplinadamente, o gramado, em sinal de protesto contra o ato de discriminação praticado. A atitude assumida, inédita num palco esportivo, colocou obviamente em xeque o regulamento do torneio, deixando a cartolagem aturdida e o público (que acompanhava a competição pela tevê) maravilhado.

Menos de 24 horas transcorridas da inusitada ocorrência, com a composição da arbitragem alterada, normas e regimentos burocráticos chutados pra escanteio, a partida interrompida teve continuidade. A punição aplicada na véspera – cartão vermelho – passou a não valer. O placar avantajado, 5 a 1 em favor do time francês, foi considerado detalhe de somenos na flamejante história, diante da memorável goleada, de impactante simbolismo, aplicada contra o racismo numa das canchas da vida em que ele costuma mostrar a cara. A situação vivida no “Parque dos Príncipes” concita-nos a percorrer as ladeiras da memória, recolhendo na caminhada exemplos frisantes, de duradoura repercussão, afrontosos à dignidade humana, cometidos em ambientes esportivos pomposos.

Talvez o mais contundente desses registros haja sido o da Olimpíada de Berlim, realizada pouco antes da segunda guerra mundial. O protagonismo infame ficou a cargo do sinistro Adolf Hitler, ícone das falanges racistas em sua configuração mais horrenda. Num dado momento, espumando ódio, ele resolveu deixar, abrupta e acintosamente, a tribuna do estádio para não ter que entregar troféu a um magnífico atleta estadunidense – “negro como a noite, negro como as profundezas d’África”, segundo os versos célebres do poeta Langston Hughes -, que acabara de conquistar, galhardamente, a mais cobiçada láurea dos jogos.

Mas, na ocasião, nada obstante a ressonância midiática alcançada pelo boçal gesto, a ninguém, a nenhuma delegação, acudiu a ideia de marcar indignação, inconformismo face ao abjeto posicionamento racista cometido pelo ditador nazista, com ato de desagravo coletivo instantâneo, tal como o de agora em Paris.

Naquele e noutros momentos em que a brutalidade racista se fez sentir num cenário festivo repleto de esfuziantes emoções, como costumam ser os cenários compostos para grandes concentrações esportivas, nada se viu, como reação dos atletas e público, que ligeiramente pudesse se igualar ao que os jogadores turcos e franceses, promoveram nessa recente noitada futebolística. Uma noitada inesquecível, na qual futebol, com toda sua eletrizante carga emotiva, cedeu lugar, contentando-se a segundo plano na ribalta, a uma atração que não estava no programa, a uma manifestação histórica que engrandece a consciência humana.

Os 22 craques foram movidos por impulso fabuloso. Se vivo, Nelson Rodrigues não hesitaria, com toda certeza, de classificá-lo de “santo impulso”.

*  O jornalista Cesar Vanucci (cantonius1@yahoo.com.br) é colaborador do Blog Mundo Afora

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.