Termo cuja busca registrou aumento foi elegido pela sua utilização em vários contextos, principalmente pelos protagonistas do movimento #Metoo

Os dicionários britânicos Oxford elegeram “Tóxico” como a palavra do ano 2018. A decisão foi anunciada esta semana através da conta oficial do Twitter. A pesquisa pelo termo, selecionado por descrever as “preocupações” atuais, aumentou em 45% em um ano no site das publicações.

Contudo, a diretora da empresa, Katherine Connor Martin, informou em entrevista ao The New York Times que a escolha da palavra não se deu apenas pelo aumento da busca. Mas também pela sua utilização em vários contextos, desde discussões sobre produtos nocivos para o ambiente, como em discursos políticos e principalmente pelos protagonistas do movimento #Metoo, ainda que neste caso o termo correto seja “masculinidade tóxica.

O comitê que faz a seleção pensou inicialmente, inclusive, em indicar a expressão “masculinidade tóxica”. No entanto, entendeu que o termo mais adequado era “tóxico”. “Muitas coisas diferentes estão ligadas pela palavra”, justificou Connor.

No ano passado, a palavra vencedora foi “yothquake”. A expressão, que traduz uma mudança social, cultural ou política significativa consequente das ações ou influência das gerações mais jovens, viu a sua utilização aumentar em 401% em 2017. Em 2016, a palavra escolhida foi pós-verdade.