Jordi Sànchez e Jordi Turull tomaram decisão para denunciar engavetamento de recursos pelo Tribunal Constitucional, impedindo-os de recorrer ao Tribunal Europeu de Direitos Humanos

O ex-presidente da Assembleia Nacional Catalã (ANC) e deputado de Juntos por Catalunha (JxCat), Jordi Sànchez, e o deputado Jordi Turull (JxCat) iniciaram uma greve de fome indefinida. A decisão foi comunicada na manhã de hoje à direção da penitenciária de Lledoners, onde estão presos aguardando julgamento pela acusação de rebelião e sedição por conta do referendo de 1º de outubro de 2017 e a declaração de independência.

Com a greve de fome, denunciam o Tribunal Constitucional (TC) espanhol por engavetar os recursos que tramitam há mais de um ano em sua defesa, impedindo que possam recorrer ao Tribunal Europeu de Direitos Humanos (TEDH). Em comunicado conjunto divulgado na página web vagadefam.cat, que já contava no final da tarde com quase 50 mil adesões, Sànchez e Turull reclamam que a situação vulnera seus direitos fundamentais, entre eles o de liberdade, os políticos, o de julgamento justo e de presunção de inocência.


Através do Twitter, Sànchez e Turull escreveram mensagem semelhante para anunciar a decisão: “Denuncio que o TC impede o meu direito a acessar a justiça internacional. O seu bloqueio aos nossos recursos é uma injustiça. Hoje, 1º de dezembro, começo uma greve de fome”. O estado de saúde de Sànchez e Turull será acompanhado pelo médico Jaume Padrós, que a cada dia divulgará um informe de saúde dos dois.

Padrós concedeu entrevista coletiva neste sábado ao lado do advogado Jorge Pina, que defende Sànchez e Turull. Até agora, Pina já apresentou oito recursos ao TC, sendo que o primeiro foi registrado em novembro de 2017. Todos tiveram o trâmite admitido, contudo até agora não houve nenhum tipo de resposta por parte do tribunal.

Advogado Jordi Pina e médico Jaume Padrós em coletiva de imprensa sobre greve de fome iniciada por Jordi Sànchez e Jordi Turull

Segundo Pina, a lei prevé que este tipo de recurso seja resolvido em trinta dias, mas faz meses que estão engavetados. O advogado ressaltou que se trata de uma “demora injustificada”, visto que em outras ocasiões, como em recursos contra os independentistas, o TC já realizou reuniões de urgência num final de semana e em menos de 24 horas. “Não estamos pedindo nenhum favor, tampouco podemos aceitar passivamente uma dilação injustificada”, explicou.

Segundo o advogado, a greve de fome é o instrumento que utilizam para apelar a todos os democratas catalães, espanhóis, europeus e de todo o mundo e para movem consciências e vontades.

Foto divulgada por Òmnium mostra pela primeira vez líderes catalães na penitenciária de Lledoners

Na noite da sexta-feira, foi divulgada a primeira foto dos presos catalães no interior de Lledoners. Ao lado de Sànchez e Turull foram retratados o ex-vice-presidente Oriol Junqueras, o presidente da Òmnium Cultural, Jordi Cuixart e os ex-secretários Joaquim Forn, Raül Romeva e Josep Rull, estes dois últimos também deputados. A ex-presidente do Parlamento, Carme Forcadell e a ex-secretária Dolors Bassa não puderam compor a imagem porque estão presas em centros penintenciários feminos em outras cidades da Catalunha.