O presidente cessado da Catalunha, Carles Puigdemont, estendeu hoje mais uma vez a mão ao diálogo com o primeiro ministro da Espanha, Mariano Rajoy. Em artigo publicado no Politico (original em inglês), Puigdemont diz que “negociar não é um sinal de fraqueza ou covardia, mas sim de uma grande força democrática”.

Puigdemont insta Rajoy a reconhecer o resultado das eleições de 21 de dezembro, na qual os independentistas conseguiram a maioria absoluta no Parlamento da Catalunha, elegendo 70 deputados, e a retirar a intervenção do governo autonômico em vigor desde outubro, quando foi frustrada a declaração de independência. “A tentativa do governo espanhol de reprimir a voz do povo catalão falhou”, destaca.

Puigdemont selou em Bruxelas acordo com Marta Rovira para formação da mesa do Parlamento da Catalunha e sua investidura como presidente

O artigo foi publicado a poucos dias da sessão de formação do parlamento, marcada para 17 de dezembro, na qual será escolhido o novo presidente. E coincide com a divulgação da pretensão dos partidos independentistas de investir mais uma vez Puigdemont  à frente do governo da Catalunha. Não se sabe ainda como isso será possível, uma vez que o líder catalão está exilado em Bruxelas e está sob ameaça de prisão caso retorne a território espanhol. Contudo, já foi divulgado pela imprensa que Puigdemont selou acordo com Marta rovira, de Esquerda Repúblicana de Catalunha (ERC), para compor a mesa do parlamento com maioria independentista e verificar como proceder à investidura com Puigdemont na Bélgica.

Leia abaixo a versão do artigo em portugués:    

A Catalunha não será silenciada

Apesar dos grandes esforços de Madri, o apoio à independência continua crescendo

Por Carles Puigdemont

A tentativa do governo espanhol de reprimir a voz do povo catalão falhou

Na eleição parlamentar catalã do mês passado, os partidos pró-independência ganharam o maior apoio em sua história. Havia 113 mil votos mais pró-independentes do que nas eleições parlamentares anteriores, em 2015, e 35 mil votos mais do que no referendo de 1º de outubro sobre independência. Foi, além disso, uma participação recorde para uma eleição para o parlamento da Catalunha.

A contagem final mostra apoio à independência em 2.079.340 votos (quase 180.000 votos mais do que os vencidos pelo bloco constitucionalista). Não só o limite de 2 milhões de votos foi superado, mas o sentimento de independência foi consolidado e continua a crescer.

Estes números servem como uma ratificação dos resultados do referendo de 1º de outubro, que foi realizado em condições altamente adversas. Naquela ocasião, a propaganda do governo espanhol desacreditou os resultados, argumentando que não havia garantias suficientes. Madri afirmou que o censo não era oficial, que a autoridade eleitoral não era independente, que as partes que se opunham à independência se recusaram a participar e que o contagem ocultou práticas fraudulentas.

Apesar da violência extrema aplicada pelo governo para tentar impedir que votássemos, os resultados do referendo que eu mais tarde transmiti ao Parlamento da Catalunha refletiram uma opinião verdadeira, rigorosa e válida. As eleições de 21 de dezembro foram convocadas por Madri, com o seu censo, com a sua junta eleitoral, com a sua contagem de votos e as suas regras do jogo. Qual foi o resultado? Mais votos para a independência do que em 1º de outubro.

Quero destacar esses números porque é sobre eles, e não em propaganda, que é preciso basear a opinião e tomar decisões. Os resultados são uma refutação total da tese que o estado espanhol tem mantido e disseminando: esse sentimento pró-independência está em declínio (falso) e é minoritário (falso).

O desejo de ser livre de Madri está aumentando, é majoritário e é duradouro ao longo do tempo, apesar das enormes dificuldades que enfrenta.

Os resultados das eleições são ainda mais significativos quando lembramos que o movimento de independência teve seus líderes e principais candidatos fora de jogo, na prisão e no exílio, e que está sendo tratado como uma ideologia perigosa por um aparelho estatal que não tem dúvidas em questionar os professores que encorajaram os debates políticos nas escolas secundárias, em censurar o idioma usado pelos jornalistas, em proibir as bandeiras com a palavra “democracia” e em prevenir a proliferação dos laços amarelos que simbolizam a demanda pela libertação dos prisioneiros políticos.

Vale lembrar os vultosos recursos econômicos e materiais que os três partidos unionistas tiveram nessas eleições. A isso, se deve acrescentar o viés vergonhoso da grande maioria dos meios de comunicação espanhóis, que descartaram qualquer aparência de neutralidade e dedicaram seus esforços – sem compunção – à promoção dos candidatos de Ciudadanos, do Partido Socialista e do Partido Popular.

Sob tais condições – ter que participar de comícios eleitorais de Bruxelas e enviar cartas detrás das grades – a vitória pró-independência é muito mais do que apenas um sucesso eleitoral. É a confirmação de que este é um movimento muito poderoso capaz de resistir a terríveis dificuldades.

Isso exige atenção e respeito – nenhum dos quais foi oferecido pelo governo espanhol e pela União Europeia. O desejo de independência catalã é um fenômeno real, com cidadãos europeus e expressado de forma impecável e democrática.

Respeito significa reconhecer a realidade como está e não como Madrid gostaria que fosse. Se começarmos com isso, grandes avanços podem ser feitos. Mas a estratégia de assédio, humilhação e propaganda deve ser descartada. E um respeito escrupuloso às decisões dos cidadãos deve ser mostrado.

Desde 21 de dezembro, o primeiro-ministro Rajoy tem pensado e agido exatamente como antes, como se não se importasse com os resultados, porque eles não eram o que ele havia planejado.

Quase três semanas após a eleição, o governo espanhol reluta em reconhecer os resultados e aceitar a derrota de sua estratégia repressiva. Está mantendo em vigor a suspensão da autonomia, o saque do governo catalão e as medidas de intervenção absoluta em nosso governo autônomo.

É incapaz de explicar ao mundo por que há necessidade de encarcerar e perseguir políticos que fizeram exatamente o que se comprometeram a fazer ante aos eleitores e ao Parlamento. Não abriu um único canal de diálogo com a maioria parlamentar que apóia o atual Governo da Generalitat e não deu sinais de ter compreendido o sério corretivo das urnas.

Alguns líderes da Europa podem continuar a permanecer em silêncio diante de um governo que, aparentemente, não aceita os resultados de uma eleição. Não nos surpreendemos mais, mas estamos desapontados. Estar ao lado incondicionalmente do governo espanhol não ajuda a resolver um problema que é real, que está aumentando e que não vai desaparecer com ameaças de cacetetes, prisões, exilados e proibições.

Negociar não é um sinal de fraqueza ou covardia, mas sim de uma grande força democrática. Na cultura política espanhola, a força e a imposição dominaram demais, e isso provavelmente ainda confunde as mentes de sua elite (políticos e mídia).

Mas já é hora de alguém dizer que não é assim, que eles simplesmente envenenam a situação e tornam a solução democrática mais complicada. Madri há de entender que é necessário o diálogo, a negociação e o acordo sobre o futuro relacionamento que os catalães desejam com a Espanha – baseado no respeito, no reconhecimento, na cooperação e na igualdade.

Carles Puigdemont é ex-presidente do governo catalão. Ele enfrenta acusações de sedição e rebelião em Espanha e atualmente está residindo na Bélgica.