O rei Felipe VI não foi feliz ao se dirigir aos súditos espanhóis na noite desta quarta-feira (18) para falar sobre o estado de alerta sobre o COVID-19. Às 21h, quando começou a falar em cadeia nacional de rádio e TV, cidadãos de todo o pais saíram aos balcões e realizaram um estrondoso panelaço em protesto contra o monarca.

O rei émerito Juan Carlos é acusado de esconder 100 milhões de euros na Suíça

Os manifestantes que bateram panelas durante seis minutos seguidos e gritaram “fora Bourbon” fizeram uma cobrança ao rei. Que o seu pai, o rei emérito Juan Carlos, doe para a saúde pública os 100 milhões de euros não declarados que tem depositados na Suíça, supostamente provenientes da Arábia Saudita. O escândalo sobre o montante foi divulgado recentemente por meios de comunicação internacionais.

Sobre os recursos, Felipe VI não falou uma só palavra no discurso. “Devemos nos unir em torno de um mesmo objetivo: superar esta grave situações. E temos que fazer isso juntos, com serenidade e confiança, mas também com decisão e energia”, disse em relação à pandemia que até esta quarta-feira já contaminou mais de 13 mil pessoas na Espanha e matou quase 600 pessoas.

Inicialmente pensava-se que o protesto, convocado através das redes sociais, fosse ficar restritos às comunidades autônomas da Catalunha e País Basco. Mas se estendeu por todo país, inclusive na comunidade de Madrid, região onde se concentram a maioria dos casos de contágios e mortes na Espanha.

O que demonstra que há uma revolta geral sobre os casos de corrupção que pairam sobre a casa real. Esta semana se descobriu que Felipe VI tinha conhecimento da fortuna escondida no paraíso fiscal pelo pai há quase um ano, mas só depois do escândalo na imprensa foi que se pronunciou renunciando a herdar tais recursos.

Muitos espanhóis estão revoltados não apenas com o rei, mas também com a gestão do primeiro-ministro Pedro Sánchez (PSOE) diante a crise do coronavírus. Ao centralizar as ações, retirando competências das comunidades autônomas, Sánchez tem dificultado o trabalho fora de Madri, para onde tem concentrado atenções e recursos. Uma das medidas que causou indignação foi o confisco de material hospitalar, inclusive máscaras de proteção, que foram levados pela Guarda Civil direto das fábricas a Madri, deixando as demais Comunidades Autônomas desatendidas em meio ao crescimento da pandemia.

Nas redes sociais foram muitos os vídeos postados mostrando os panelaços contra o rei em diversas partes do país.