Previsão assustadora sobre tempestades do futuro: mais curtas, extremas e frequentes

Estudo realizado no Reino Unido prevê que aumento das temperaturas tornará tempestades futuras mais curtas e extremas e com frequência maior do que hoje

Projeto liderado por Hayley Fowler, da Faculdade de Engenharia da Universidade de Newcastle (Reino Unido), e publicado na revista Nature Reviews Earth & Environment indica um futuro assustador em termos de meteorologia. A pesquisa indica que o aquecimento das temperaturas em algumas regiões do Reino Unido são os principais impulsionadores dos aumentos nas intensidades extremas de chuvas de curta duração, que tendem a ocorrer no verão e causar inundações perigosas.

Essas intensidades aumentam as taxas significativamente mais do que as tempestades de inverno, razão pela qual o estudo recomenda medidas de adaptação às mudanças climáticas, já que chuvas de curto prazo mais intensas aumentam o risco de enchentes e chuvas extremas em todo o mundo.

Os pesquisadores analisaram dados de estudos observacionais, teóricos e de modelagem para examinar a intensificação dos extremos das chuvas, impulsionando essas intensidades e o impacto nas enchentes. Eles descobriram que os extremos de chuva se intensificam com o aquecimento global, geralmente a uma taxa consistente com o aumento da umidade atmosférica.

No entanto, o aumento das temperaturas em algumas regiões afeta chuvas pesadas de curta duração mais do que apenas o aumento da umidade atmosférica, com o feedback local em sistemas de nuvens convectivas fornecendo parte da resposta a este quebra-cabeça. “Sabemos que a mudança climática está nos trazendo verões mais quentes e secos e invernos mais quentes e úmidos. Mas, no passado, temos lutado para capturar detalhes em eventos de chuvas extremas, pois eles podem ser altamente localizados e ocorrer em questão. Horas ou mesmo minutos”, diz Fowler.

O pesquisador acrescenta: “Graças à nossa nova pesquisa, agora sabemos mais sobre como as chuvas realmente fortes podem ser afetadas pela mudança climática. Como o ar mais quente contém mais umidade, a intensidade da precipitação aumenta à medida que as temperaturas sobem”.

Fowler observa que “este novo trabalho demonstra que o aumento na intensidade é ainda maior para eventos curtos e pesados, o que significa que inundações repentinas localizadas provavelmente serão uma característica mais proeminente de nosso clima futuro.”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.