A comovedora história de dez ursos soltos após 20 anos de cativeiro na Argentina

Ursos pardos que viviam no zoológico de Mendonza, na Argentina, agora podem se mover livremente em área de quatro mil hectares no Colorado (EUA)

Ursos recuperaram a liberdade após 20 anos de cativeiro

A vida em cativeiro acabou para dez exemplares de urso pardo que passaram mais de 20 anos fechados em um zoológico de Mendonza, na Argentina. Agora, os animais tem para se movimentar um território de mais de quatro mil hectares no ‘Wild Animal Sanctuary’, no nevado Colorado, Estados Unidos. A transferência para um dos santuários de maior reconhecimento no mundo foi possível depois de um árduo trabalho da ONG Enfoque Animal, que representa a entidade norte-americana em solo argentino. A transferência dos dez ursos teve uma duração de quatro dias, tendo sido iniciada em novembro do ano passado.

A história foi registrada em um emotivo documentário. com dez minutos de duração, chamado “Uma dezena de ursos”, realizado por Geraldine Vidal, diretora da Enfoque Animal. Um deles, chamado Áthila, teve uma vida mais triste que os demais. Por ter tentado fugir do recinto, há 19 anos, foi confinado em uma fosso, onde ficou oculto do público. O local, diminuto, era originalmente destinado a períodos de reprodução da espécie.

Geraldine expressou através das redes sociais a emoção pela transferência dos animais. “A primeira vez que visitei estes ursos me detive em cada um para poder observá-los bem. Quando chegou a hora de visitar Áthila, tentava entender o que este ser sentia. Recorde que olho nos seus olhos e lhe disse que um dia iria ser livre”, conta.

Geraldine Vidal dentro da jaula onde Áthila ficou recluso por duas décadas

O desejo de Geraldine se fez realidade. Os dez ursos pardos – além deAthila, Fausto, Yogi, Julieta, Sorpresa, Mabel, Esperanza, Libertad, Rosa e Buko – disfrutam agora de sua liberdade e compartilham o dia a dia com outros de sua espécie em um espaço natural adequado às condições que necessitam e atenção de especialistas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.